Pesquisar este blog

domingo, 27 de novembro de 2011

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Salão de Humor, Lima, Peru

Os desenhos abaixo foram selecionados e publicados ao lado de trabalhos de artistas de 47 países no Grande Salão Internacional de Lima, Peru, 2011.
É uma honra dividir esse momento de alegria com meus queridos seguidores: poetas, professores, cronistas, pintores, desenhistas, crianças e... políticos.
Abraço especial aos seguidores Socorro Noronha, Nan Noronha e Mambenga, pelo apoio. Valeu, amigos!!
Obrigado!!!

Desenho publicado no catálogo internacional do Salão de Humor de Lima, Peru

Salão de Humor, Lima, Peru

Os desenhos abaixo foram selecionados e publicados ao lado de trabalhos de artistas de 47 países no Grande Salão Internacional de Lima, Peru, 2011.
É uma honra dividir esse momento de alegria com meus queridos seguidores: poetas, professores, cronistas, pintores, desenhistas, crianças e... políticos.
Abraço especial aos seguidores Socorro Noronha, Nan Noronha e Mambenga, pelo apoio. Valeu, amigos!!
Obrigado!!!

Desenho publicado no catálogo internacional do Salão de Humor de Lima, Peru

Desenho publicado no Catálogo internacional de Humor de Lima, Peru

terça-feira, 15 de novembro de 2011

domingo, 13 de novembro de 2011

O carma

Na concepção hindu, carma quer dizer destino, determinado ou fixo.
O carma é uma das invenções pela qual os homens procuram suportar com paciência o mal e encaram com esperança a vida.


Livro: História das Religiões. Leonardo Arantes Marques.

(Leia, liberte-se!)

Sincretismo religioso

O Candomblé é uma religião da África com aproximadamente 5 mil anos. Chegou ao Brasil entre os séculos XVI e XIX, trazido pelos africanos na época da escravatura. Como os portugueses só valorizavam símbolos católicos, todos os ritos, danças e festas realizadas pelos africanos eram manifestações diretas do diabo e precisavam ser proibidos.
Ao chegarem ao Brasil, os africanos não tiveram outra escolha a não ser misturar os símbolos de sua terra natal com os símbolos católicos, para a sobrevivência de seu culto. A saída mais coerente era orar para um santo e oferecer em despacho a comida preferida do Orixá.

Fonte: Livro: História das Religiões e a Dialética do Sagrado. Leonardo Arantes Marques. Ed. Madras.

Crônicas de meu país 4 ( Esse grande incompreendido )

Sacanagem nórdica

quinta-feira, 3 de novembro de 2011